A cultura de viagens em motorhomes ou trailers no Brasil é quase inexistente. Salvo meia dúzia de apaixonados que circulam com suas casas-móveis pelo sul do Brasil, a outra meia dúzia mantém suas casas-móveis estacionadas em campings, como se fossem uma casa de campo ou praia.

Por isso, fora alguns poucos campings, é bem difícil achar lugares com estrutura apropriada para receber nosso motorhome (carinhosamente chamado de Bartolomeu) – mas… sempre damos um jeitinho 🙂 

Como levamos a casa nas costas – e ainda o carro rebocado atrás -, nosso ritmo nas estradas não é dos mais velozes…    então vamos indo devagar e, quando dá vontade, paramos pra descansar, comer, dormir…

Segurança é sempre uma preocupação; então, quando estamos na estrada e precisamos parar para passar a noite, procuramos as grandes redes de postos ou, quando não tem, optamos por postos onde tem bastante caminhões estacionados, boa luminosidade e boa estrutura de restaurante. Quando chegamos num posto normalmente enchemos o tanque de diesel, os tanques de água (para banheiro e cozinha), e conversamos com o gerente responsável para pedir um lugarzinho seguro e que não atrapalhe ninguém – o Gael adora ver os caminhões manobrarem ao nosso lado.

Apesar das baterias da nossa “casa” nos darem autonomia de energia, sempre que é possível damos preferência a conectar o Motorhome em uma tomada – afinal, quanto menos tivermos que usar as baterias, maior será a vida útil delas.

Agora, chegar em uma grande cidade como São Paulo com um motorhome ou trailer é sempre um evento – não dá pra não chamar a atenção. E sempre há dificuldade em trafegar e estacionar…   fora que não dá pra pernoitar no motorhome numa metrópole dessas. Nesta viagem então optamos por cruzar a cidade pelas marginais e seguir rumo a Mairiporã, onde fizemos parceria com uma pousada que nos permitiu estacionar o Bartolomeu e passar uns 10 dias ali; e quase todos os dias íamos pra São Paulo em nosso carrinho, que nas viagens nos acompanha rebocado pelo Motorhome.

Outra grande vantagem de rebocarmos nosso carrinho é que mesmo em cidades pequenas ele é muito útil para que possamos deixar a casa parada e sairmos pra circular pela região.

Então, enfim…    agora estamos mesmo na estrada!

Aguardem novidades….    😉