Livro “Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes” [Stephen Covey]

Seja o criador do seu destino, assuma a responsabilidade pela vida que você leva. O primeiro passo é modificar os seus hábitos.

Stephen Covey é autor de vários best-sellers, entre eles “Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes”, considerado o livro de negócios mais influente do século XX e um dos dez mais importantes sobre administração de todos os tempos vendeu mais de 15 milhões de exemplares em 38 idiomas em todo o mundo.

Seleção de Resumos do Livro “Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes” 👇

Os links sobre os nomes dos autores dos resumos te levam aos seus respectivos canais no Youtube, onde você pode conferir outros conteúdos de cada um deles e inscrever-se nos seus preferidos 😉 

Lucas Conchetto (16:54)

ResumoCast (39:05)

Livro “Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes” – Stephen Covey

[comentários por: @LucasConchetto]

O livro “Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes” de Stephen Covey é um despertar para as coisas importantes da vida. A missão do autor é provocar o leitor a refletir sobre seus valores, seus propósitos e outros aspectos da sua vida, e não ser apenas um guia ou um passo a passo para o sucesso, segundo o próprio autor a busca deve ser feita por cada um em um constante ciclo de ação, aprendizado e dedicação.

Ao longo de sua vida o autor dedicou-se em seu autodesenvolvimento e os frutos foram muitos, sua empresa, livros e um legado na área empresarial. Em sua vida Stephen percebeu que só encontraria sucesso e satisfação se os diversos campos que definem um ser humano estivessem alinhados: corpo, mente, espírito e o social emocional. O autor viveu através dessas ideias e nesses diferentes campos fez melhorias ao buscar superar a si mesmo. A aula que o autor deixa é mais do que um guia ou passo a passo de como viver, sua aula é sobre aprender, pensar, refletir, ser consciente e protagonista da própria vida. O autor mostra que toda mudança acontece de dentro pra fora, que é no nosso interior que a realidade é moldada e a partir de nossa mente é que as coisas adquirem valor, a realidade externa nunca traz valor em si mesma, ela é sempre a nossa própria medida e é nós que conferimos significado a ela. Quando concebemos a ideia de que a mudança acontece de dentro pra fora, temos que assumir responsabilidade pelas coisas e pelos resultados, e esse é um processo doloroso. Geralmente queremos assumir somente nossos sucessos, mas quando se trata de fracasso, não é nossa culpa, eles são sempre culpa de fatores externos, essa falta de coragem para assumir o rumo da própria vida é a primeira e fundamental discussão do autor. Assumir os sucessos e as falhas são características de um comportamento proativo, o indivíduo proativo tem consciência de suas limitações, sabe que pode e deve mudar seus comportamentos e está disposto a mudar.

Ser proativo é o primeiro hábito, ele nos provoca a sair do papel de vítima e assumir o controle da situação, é a busca pelo autoconhecimento e pela melhoria continua. O segundo hábito é contemplativo. Antes de partir para ação, devemos criar o hábito de refletir, criar os cenários em nossa mente e depois manifestá-los. É como criar um roteiro, um projeto ou um esboço para o que desejamos realizar, essa base vai ser nossa referência na hora de agir. Com o os objetivos em mente, temos que ter a consciência do que é importante e do que é urgente, esse é o terceiro hábito e ele trata do gerenciamento pessoal. Não podemos realizar tudo o que temos em mente, nem tudo é viável e nem tudo vai trazer os resultados que desejamos. Por isso o terceiro hábito é importante, ele trata do que temos que fazer para conquistar nossos maiores objetivos e não ficar como loucos resolvendo urgências todos os dias sem conquistar nada significativo no longo prazo. Muitos dos nossos objetivos dependem também de outras pessoas para serem realizados, por isso o quarto hábito discute a importância do pensamento ganha/ganha. No ganha/ganha não precisamos perder para alguém ganhar, nem ganhar sozinhos para que outros percam. No conceito ganha/ganha podemos encontrar um cenário ideal para ambos os lados ganharem, é fruto de um equilíbrio, reflexão e autoconhecimento. Na busca pelo melhor cenário é importante compreender o outro lado e é disso que trata o quinto hábito, antes de tentar ser compreendido ou acabar por forçar a barra, busque sinceramente entender o outro lado, suas motivações e resistências. Quando compreendemos o outro lado, crescemos em nossos relacionamentos e também como pessoas. O sexto hábito trata da sinergia, que segundo o autor, é o resultado direto da harmonia entre os hábitos anteriores, a sinergia é a integração entre as pessoas criando unidade. Quando há autoconsciência, imaginação, diálogo e empatia, as pessoas se potencializam e em um movimento criativo vão além, gerando resultados incríveis. O autor fecha o conjunto com o sétimo hábito que trata da manutenção e renovação dos hábitos anteriores. É um processo de reflexão que busca alinhar as diferentes esferas da vida, que são: corpo, mente, espírito e o social emocional. Ele chama esse processo de espiral ascendente, resultado do ciclo ação, aprendizado e dedicação. O sétimo hábito é a revisão de seus valores e objetivos em busca de evoluir e atingir níveis mais altos, por isso subimos na espiral ascendente sempre que refletimos e evoluímos.

Top 5 aprendizados

Que o sucesso é uma questão interior.
Só conseguimos ser bem sucedidos e plenos quando temos autoconsciência e maturidade para lidar conosco e com os outros. Esse é o verdadeiro sucesso e ele reflete em outros campos da nossa vida. Embora possamos conquistar o sucesso financeiro, é no nosso interior que está o segredo do contentamento e da felicidade.

A mudança é um processo lento e gradativo.
Se entramos no jogo esperando resultados rápidos, com certeza vamos nos frustrar. Uma grande lição é a paciência para continuar tentando mesmo quando vacilamos. Nenhum hábito é construído em pouco tempo, é um processo lento e muitas vezes doloroso, mas que nos projeta para grandes resultados a longo prazo.

Ser mais proativo e menos reativo.
Parar de culpar tudo e a todos pelas nossas infelicidades. Temos que assumir mais o comando e aceitar que o fracasso muitas vezes é culpa nossa. O reativo acredita que é assim e ponto, o proativo acredita que pode tomar outra atitude. O reativo diz: ele me deixa louco, o proativo diz: posso controlar meus sentimentos. O reativo pensa que não pode, o proativo acredita que pode escolher. Uma mudança de atitude na vida pode definir nossa altitude na vida.

Organizar sua semana e ter clareza de seus objetivos.
Muitas vezes temos muitos objetivos e queremos muito alcançá-los, o problema é que logo que começamos ficamos perdidos e tendemos a desistir. Boa parte das vezes isso acontece por que não temos clareza do que fazer para alcançar um objetivo, por isso o autor sugere um planejamento semanal nas diferentes esferas da nossa vida, dessa forma temos uma visão mais clara e uma sensação de realização ao longo dos dias.

Conta Bancária Emocional.
O autor usa uma metáfora útil e boa para visualizar os relacionamentos. Imagine que cada relação humana tenha uma conta bancária, onde cada vez que interagimos com alguém nós fazemos um crédito ou débito nessa conta. Quando confiamos, ouvimos, e somos presentes, fazemos um depósito nessa conta. Porém quando mentimos, não confiamos ou somos ausentes, debitamos dessa conta. Acontece que muitas vezes fazemos muitos débitos, o que deixa a conta no negativo. Fazemos uma ou outra coisa boa, e esperamos que tudo volte ao normal, o que nem sempre acontece, já que algumas vezes a conta está tão negativa que é necessário trabalhar duro para colocar essa conta novamente no positivo. Essa metáfora nos ajuda a enxergar nossas ações de uma forma mais abstrata e com ela vemos que é necessário manter a conta dos relacionamentos no azul.

Como Comprar o Livro

Antes de mais nada parabéns por estar aqui buscando conteúdos bacanas para te ajudar no seu processo de desenvolvimento. Estamos muito felizes por isso, pois nosso objetivo é realmente te ajudar neste processo.

Bem, sabemos que nada substitui uma boa leitura e, portanto, se você gostou dos resumos recomendamos que você compre o livro para lê-lo na íntegra e absorver todos os seus ensinamentos:

 

 

_______________________________

E então? Curtiu?

De qual resumo você mais gostou?

Compartilhe aqui abaixo sua opinião 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *